INDÍGENAS RECLAMAM DE AÇÃO DO MPF EM RORAIMA


A investigação da existência de trabalho escravo na terra indígena Raposa Serra do Sol causou estranheza e indignação aos indígenas da maloca do Barro, na região de Surumu, em Roraima. A maloca fica localizada a cerca de 200 quilômetros da capital, Boa Vista, e foi uma das localidades verificadas pelo Ministério Público Federal, no início de abril, juntamente com representantes do Ministério Público do Trabalho, Ministério do Trabalho e Emprego e pelo Exército Brasileiro, através do 7º Batalhão de Infantaria de Selva, conforme notícia veiculada pelo site do jornal Folha de Boa Vista. Segundo Hudson Makuxi, os moradores ficaram assustados porque a operação não foi comunicada previamente e a abordagem foi, segundo ele, truculenta. Hudson considera que a investigação de trabalho escravo no interior da terra indígena mostra o quanto pode ser desastrosa a condição imposta pelo Supremo Tribunal Federal – STF segundo a qual alguns órgãos governamentais podem entrar na terra indígena sem consultar as comunidades. Hudson Makuxi é assistente jurídico do Conselho Indígena de Roraima – CIR, e está representando a organização em debate promovido pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – Coiab, que acontece desde ontem no auditório Rio Solimões, da Universidade Federal do Amazonas, em Manaus. “Eles chegaram ao Centro de Formação de Surumu com truculência, em oito carros do Exército, dizendo que foi criada, em Boa Vista, uma força-tarefa para investigar trabalho escravo na terra indígena”, conta Hudson Makuxi. De acordo com o advogado Cláudio Luiz Beirão, do Conselho Indigenista Missionário - Cimi, fatos como esse não representam risco para a demarcação da terra, tal como outros casos ocorridos antes do julgamento, em março passado, de ação que pretendia cancelar a homologação ocorrida em 2005. “Ali (no STF), a coisa foi julgada de forma que não tem como voltar atrás”, afirma Cláudio Luiz. No debate desta manhã, na Ufam, tomou parte também o professor Lino João, do Departamento de Antropologia. O evento é parte das atividades alusivas à Semana dos Povos Indígenas. No domingo, 19/04, às 17 horas, será lançada a campanha “Povos Indígenas na Amazônia: Presente e Futuro da Humanidade”, no Palacete Provincial, localizada na Praça Heliodoro Balbi, no Centro de Manaus.

Comments