JACIR JOSÉ DE SOUZA, LÍDER MAKUXI, É VENCEDOR DO PRÊMIO CHICO MENDES 2009


Resultado foi divugado hoje pelo Ministério do Meio Ambiente, reconhecendo a luta de mais de três décadas de Jacir em favor da Terra Indígena Raposa Serra do Sol Um das maiores lideranças indígenas de Roraima, Jacir José de Souza, foi o vencedor do Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente de 2009. O prêmio vem reconhecer a luta de mais de 30 anos pela conquista da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, que teve sua legalidade reconhecida este ano pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O Ministério do Meio Ambiente divulgou ontem (24) os nomes dos vencedores. O prêmio é um reconhecimento às iniciativas consideradas exemplares na superação e substituição de modelos predatórios e danosos ao meio ambiente por outros racionais e sustentáveis, que minimizem impactos sobre a Amazônia Legal.

Jacir José de Souza ficou em 1º lugar na categoria Liderança Individual. A menção honrosa para Anderson Candiotto, de Mato Grosso. A história de vida de Jacir se funde com o início da luta pela garantia das terras indígenas em Roraima e a criação do Conselho Indígena de Roraima (CIR).

Hoje com 62 anos, ele começou a participar da Assembleia Geral dos Tuxauas quando tinha 20 anos. Ainda jovem, em 26 de abril de 1977 foi escolhido tuxaua da Comunidade de Maturuca, o centro de resistência indígena em favor da Terra Indígena Raposa Serra do Sol.

Como liderança máxima de sua comunidade, convenceu os demais tuxauas da região das Serras a criarem conselheiros indígenas para ajudar os demais chefes de comunidades, em dificuldades para liderar seu povo, a vencerem a luta contra o avanço dos garimpos, que destruía o meio ambiente e a vida dos índios, por meio do alcoolismo, prostituição, violência e doenças.

As comunidades das demais regiões gostaram da ideia e também criaram seus conselheiros em todo o Estado. Esse foi o embrião para o surgimento do Conselho Indígena de Roraima (CIR), a maior entidade indígena brasileira, que goza de respeito internacional.

Em 1988, o CIR foi fundado com o nome de Cinter (Conselho Indígena do Território do Estado de Roraima), que foi mudado para CIR com a criação do Estado, dez anos depois.
No período de criação da entidade, Jacir foi o vice-coordenador. Como membro da organização, ajudou a criar a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), em 1989, com sede em Manaus (AM).

Em 1991, ao cumprir sua missão na Coiab, foi eleito coordenador-geral do CIR, onde ficou à frente por quatro anos. Nesse período, recebeu um prêmio internacional pela resistência indígena. Sob sua coordenação, o CIR também recebeu um prêmio pela luta em favor dos direitos humanos e o 3º lugar no prêmio Chico Mendes.

No cargo de tuxaua de Maturuca, permaneceu de 1977 até o ano de 2007, quando pediu afastamento. Atualmente, Jacir faz parte do CIR como coordenador regional das Serra, um dos principais braços de lutas em favor da defesa da terra.

DEMAIS RESULTADOS

Na categoria Organização da Sociedade Civil o 1° lugar ficou com a Oficina Escola de Lutheria da Amazônia, e a menção honrosa com o Instituto Floresta Tropical, do Pará.

Na categoria Negócios Sustentáveis o 1° lugar coube à Cooperativa Mista da Flora Tapajós, do Pará, e a menção honrosa à Associação Terra Viva de Agricultura Alternativa e Educação Ambiental, de Mato Grosso.

A Associação de Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes de Assis Brasil levou o 1º lugar na categoria Educação Ambiental, enquanto a menção honrosa foi para a Nativa FM, Associação Rádio Comunitária de Altamira, no Pará.

Na categoria Saúde e Meio Ambiente houve apenas um ganhador: a Secretaria da Mulher Extrativista do Pará. Na categoria Município o 1° lugar foi para Marcelândia, em Mato Grosso, e a menção honrosa para Rio Branco, no Acre.  Os nomes dos ganhadores foram publicados no Diário Oficial da União de ontem (24).

Fonte: Conselho Indígena de Roraima - CIR

Comments