Carta Aberta da Comissão Pastoral da Terra

A Cargill S.A. volta a ser tema regional e nacional no momento em que se esforça para garantir
do governo do Estado do Pará uma licença para funcionar, coisa que deveria ter requerida
antes da construção de um porto que atende exclusivamente seus interesses internacionais.

A CPT e movimentos populares locais têm sido incansáveis na luta contra todo o processo de
construção de um porto que incentivou o plantio do monocultivo de soja na região do Oeste
do Pará. Foram inúmeras denúncias e manifestações contra essa empresa. Pois, a Cargill não é
responsável apenas por ter destruído a praia da Vera Paz, enterrado um Sitio Arqueológico,
mudado o tráfego dos barcos comunitários e estar poluindo o Rio Tapajós, mas também é
responsável pela diminuição na produção da agricultura familiar, pela grilagem de terras, pelo
aumento no desmatamento em nossa região, expulsão das famílias tradicionais, queima de
casas de comunitários, violência contra lideranças e ameaças a sindicalistas e trabalhadores.

Assistimos hoje um script teatral em que a Cargill tentar enganar autoridades e sociedade civil
com um Relatório de Impactos Ambientais – RIMA, para conseguir sua licença de
funcionamento. Porém, assim como durante todos estes anos não recuamos em nossa postura
contrária a instalação do porto ilegal que a Cargill construiu, repudiaremos qualquer tentativa
nefasta de legalizar esse porto que destrói e ameaça vidas.

A Cargill atua de forma sorrateira em nossa região. A partir do seu grande poderio econômico
interfere na vida das pessoas aliciando com dinheiro, compras de fardamentos, patrocinando
eventos, pagando pessoas para visitar alunos do ensino fundamental e inculcar uma idéia
positiva sobre a mesma, fazendo acordo (moratória) com ongues internacionais. Inclusive
estas ongues prestam um excelente serviço à empresa, pois à medida que ganha a confiança
dos movimentos, se definem como protagonista da luta e desarticulam as possíveis ações
consistentes dos movimentos populares locais. Além de subsidiarem a empresa.

Não somos ingênuos para acreditar que em uma audiência pública a Cargill não terá seu
pedido de licença aceito pelo órgão ambiental. Afinal as audiências têm se tornado mero
momento simbólico de um processo legal. O governo do Estado do Pará foi um dos primeiros a
permitir, mesmo ilegalmente, que a Cargill iniciasse a construção do porto. Portanto, pode
perfeitamente facilitar este processo.

Porém, fica nossa expectativa que possamos junto com o Ministério Público Federal e os
Movimentos Populares local demonstrar mais uma vez todos os elementos negativos
provocados com a chegada da Cargill, e que o governo do Estado, ao dar ou não a licença, não
seja omisso aos documentos, muito menos conivente com esta empresa que não se cansa em
desrespeitar as leis e o povo da Amazônia.

Santarém, 23 de junho de 2010.

Comments