Messianismo eleitoral

Televisão, no horário da propaganda eleitoral, parece mais um púlpito. O cidadão chega em casa, senta no sofá, liga a TV e se depara com um sujeito distribuindo bençãos para todo mundo. Supondo ter acessado um daqueles canais onde a programação o dia todo mostra alguém fazendo oração e pessoas andando desajeitadamente, dizendo que acabaram de ser curadas de algum mal, muda de canal. Não adianta: no outro canal está lá o mesmo sujeito distribuindo bençãos.

Tem candidato prometendo fazer um bom governo porque acredita em deus e só por isso jura de pés juntos que deus está com ele (vamos torcer para que nenhum inclua deus na folha de pagamento dos assessores...). Outro, até, começa sua propaganda com a oração de São Francisco e fala baixinho, pedindo votos como se fosse um excluído faminto que se humilha a alguém pedindo um pouco de comida.

Em vista do crescimento das seitas evangélicas, muitos templos se transformaram em verdadeiros currais eleitorais. O pastor guia as ovelhas para onde bem quer e o rebanho dá ainda mais poder a alguém cujos compromissos políticos são com deus ou o diabo, dependendo da ocasião.

Quando Lula disputou a eleição para presidente pela primeira vez, os cultos, em algumas seitas, eram sobretudo palanques políticos reacionários. Os bispos e dirigentes da igrejas pintavam Lula com a cara do diabo. Ele era a figura do capeta em pessoa. E grande parte dos pastores, para fastar as ovelhas mais politizadas dos movimentos populares, pregavam que as igrejas não deviam se envolver com política.
Naquele momento em que crescia a disposição do povo de ir para as ruas derrubar a ditadura militar as ovelhas erram conduzidas para o curral, distantes  de qualquer possibilidade de mudança.

Agora, a estória é outra. Eleição é uma grande oportunidade e política eleitoral não é mais coisa inventada pelo “inimigo”. No grande mercado da “fé”, onde o produto mais valioso é a boa fé das pessoas, o voto tornou-se também mais um caminho para a salvação. Não das ovelhas, é claro, mas dos donos do curral.

Comments