COIAB: NOTA DE APOIO AO POVO PATAXÓ HÃ HÃ HÃE


A COIAB vem por meia desta, manifestar o seu apoio ao povo Pataxó Hã Hã Hãe, nessa luta incansável em busca da paz em seus territórios.  Aonde o povo quer de volta o direito de viver em sua terra, livres da destruição dos fazendeiros, dos coronéis do agronegócio que fazem guerra para continuar o criminoso projeto de desertificação do Brasil, que fazem do nosso país um celeiro de grãos para alimentar a fome do capital.

O descaso do poder público que permite a invasão dos territórios indígenas na Bahia, como em todo o país, está atrelado aos latifundiários de hoje que descendem dos mesmos invasores que desceram das caravelas de Cabral em 1.500.

Repudiamos o processo de criminalização das lideranças que travam essa batalha em defesa dos direitos dos povos indígenas.  O nordeste é uma região aonde o movimento indígena organizado, representado pela nossa irmã APOINME, é muito atuante em defesa desses direitos. Quem não pode com formiga não assanha o formigueiro.

É uma questão de urgência que o Estado Brasileiro apure os abusos cometidos contra o povo Pataxó Hã Hã Hãe e garanta a paz em seus territórios. Que a truculência da política e da polícia não seja usada para calar a voz dos guerreiros que entoam esse toré da luta.

Parentes, a luta indígena é uma só. Dos pampas à Amazônia, do pantanal ao nordeste brasileiro, os povos indígenas vivem um processo de retomada de territórios, em uma luta pela garantia dos nossos direitos conquistados que, a todo o momento, querem nos usurpar.

O movimento indígena nacional trava uma peleja contra as elites ruralistas que, ao longo desses 511 anos, patrocinam a indústria madeireira, os mares de soja e eucalipto, o gado Nelore, a cana de açúcar, as Hidrelétricas, as siderúrgicas, enfim, as peças do criminoso esquema do agronegócio que perturba as comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas e todos aqueles que acreditam que dinheiro não se come.

Galdino Vive !!

Amazônia Brasileira, 06 de outubro de 2011.
Saudações indígenas,
Coordenação Executiva da COIAB

Fonte: Ascom/COIAB

Comments