Indígenas Maraguá são ameaçados de morte

O cacique Raimundo Glória Lopes, juntamente com Misael Seixas Reis e Everaldo Castro de Araújo, do povo Maraguá, estão sendo ameaçados de morte por ribeirinhos e moradores de comunidades próximas de suas aldeias no rio Abacaxis, no município de Nova Olinda do Norte (AM). Na tarde desta segunda-feira, 25, eles compareceram á Fundação Nacional do Índio – Funai, Polícia Federal e Ministério Público Federal para denunciar a invasão de suas comunidades e as ameaças de morte.

É tenso o clima na região do rio Abacaxis desde a última quinta-feira, 21, quando os indígenas começaram a abordar lanchas de turistas e adverti-los de que, por se tratar de território do povo Maraguá, eles não poderiam adentrar pelos rios e igarapés. Os indígenas, naquela ocasião, participavam de um curso de formação na comunidade Terra Preta e tiveram que se retirar do local para conversar com os donos das embarcações.

Everaldo Castro de Araújo e outros dialogaram com alguns pilotos de lanchas que os atenderam e se retiraram do local. Outros, porém, agiram de forma agressiva e com ameaças de morte aos indígenas. “Tinha até um senhor que se apresentou como Amauri Guerreiro, dizendo ser juiz, exigindo a apresentação de uma portaria da demarcação da terra e insistindo que iria entrar”, relata Everaldo. No Departamento de Pessoal do Tribunal de Justiça do Amazonas os indígenas foram informados de que não consta nos quadros daquele órgão juiz de nome Amauri Guerreiro. 

Há vários meses os Maraguá vem lutando contra a presença de pessoas não autorizadas em seus territórios. Muitos são turistas levados por empresas para prática de pesca esportiva nos rios e lagos da terra dos indígenas, causando transtorno para as comunidades. Recentemente, eles denunciaram publicamente a ocorrência de ameaças de morte feitas por moradores das proximidades supostamente envolvidas com o tráfico de drogas naquela região. 

Comments