RESISTÊNCIA E CELEBRAÇÃO DO POVO DENIM

Marizanu Deni
Na luta e resistência, conquista e perspectiva, o povo Deni celebra sua história. É nesse clima que os Deni  iniciam o processo de articulação e organização de XII Assembleia da Associação do Povo Deni do Rio Xeruã (ASPODEX), que acontece nos dias 20 a 22 de setembro, na aldeia Itaúba, no município de Itamarati, no sul do Amazonas, distante de Manaus 983,5 quilômetros em linha reta.
A Assembleia da ASPODEX é a instância máxima, com poder de decisão sobre as estratégias de enfrentamento aos problemas e ameaças aos seus direitos e, também, de celebrar sua luta e conquistas.
Para Marizanu Deni, presidente da Associação, “a importância da Assembleia está no fortalecimento da organização do povo e é um espaço de formação, interação e fortalecimento cultural”. No evento  o povo Deni vai discutir seus projetos de vida na perspectiva de alcançar um futuro digno e com direitos respeitados.
Na região de Tefé, no Amazonas, onde o Conselho Indigenista Missionário – CIMI, conta com uma equipe para atuar junto a vários povos, entre os quais os Deni, os missionários consideram  o evento como gesto de comunhão com a luta e resistência dos “parentes” – como os indígenas se tratam -, em todo o Brasil. Nesses tempos de ataques aos direitos indígenas é importante discutir a conjuntura política e seus efeitos para a causa indígena.
Como parte da mobilização e divulgação da Assembleia para a população de Itamarati, no último dia 5 de setembro, o presidente Marizanu Deni e os missionários do Cimi participaram do programa “A Hora do Povo”, na Rádio Comunitária FM do Povo, com o comunicador Gerson Amâncio. Na oportunidade, Marizanu Deni fez o convite ao poder público do município para participar da Assembleia e, juntos, dialogarem em busca de mecanismos que possibilitem a implementação de políticas públicas indigenistas eficazes na resolução dos problemas e desafios que enfrentam. Com essa participação, o povo Deni mostra à sociedade envolvente que, mesmo com tanta violação aos seus direitos que há anos vêm sofrendo, eles resistem e fortalecem seus modos de vida tradicionais e sua cultura. “Nossa Assembleia será uma IMA AMUSINAHA” (festa grande), diz Marizanu.
Os indígenas Deni do rio Xeruã são de família linguística Arawá. Ali eles vivem em quatro aldeias, em terra demarcada e homologada, com uma população de aproximadamente 800 pessoas.
Por Fábio Pereira – Missionário do Cimi, membro da Equipe de Tefé.

Comments